Nos últimos anos, dois ácidos graxos essenciais tem despertado a atenção dos cientistas em todo o mundo, o ômega 3 e o ômega 6. Eles apresentam propriedades que beneficiam a saúde e ajudam a prevenir doenças crônicas como artrite reumatoide e problemas cardiovasculares.

Os termos que se referem as características das estruturas químicas são ácido alfa linolênico (ômega 3) e o ácido linoleico (ômega 6). Existem outros ácidos graxos ômega 3 que o corpo produz usando o ácido alfa linolênico como ponto de partida. Neste grupo estão incluídos o ácido eicosapentaenoico (EPA) e o docosaexaenoico (DHA). Os ácidos graxos ômega 6 também podem ser produzidos pelo organismo usando como fonte o ácido linoleico. Neste incluem-se o ácido gama-linoleico (GLA), o ácido dihomo-gama-linoleico e o ácido arachidônico.

Qual é a Função destes Ácidos Graxos?

Os ácidos graxos estão envolvidos na produção de energia, na transferência do oxigênio do ar para a corrente sangüínea e na produção de hemoglobina. Eles também estão envolvidos no crescimento, na divisão celular e na função dos nervos. A maior concentração está no cérebro e são essenciais na transmissão normal dos impulsos nervosos e na função cerebral.

Os ácidos graxos são componentes das membranas celulares, sendo importantes em várias funções do organismo como: o uso do oxigênio, produção de energia, controle das substâncias que passam dentro e fora das células.

As prostaglandinas, substâncias que atuam em muitas funções do organismo como: síntese de hormônios, função imunológica, regulamentação da resposta a dor e a inflamação, vasoconstrição dos vasos sangüíneos e outras funções do coração e dos pulmões, necessitam dos ácidos graxos para serem fabricadas.

Divididas em 3 grupos, as prostaglandinas dos grupos 1 e 3, agem na dilatação dos vasos sangüíneos, reduzindo os coágulos, reduzindo os níveis de colesterol prejudicial LDL, aumentando os níveis do colesterol benéfico HDL e atuando como anti-inflamatório.

Deficiência dos Ácidos Graxos

Os sintomas de deficiência de ômega 3 e 6 incluem fadiga, pele seca, fraqueza no sistema imunológico, problemas gastrointestinais, problemas cardiovasculares, retardamento do crescimento, problemas mentais e esterilidade. Assim, podemos notar que a deficiência destes ácidos estão relacionados com o desenvolvimento de várias doenças.

A produção de alimentos industrializados tem apresentado um grande impacto no tipo de gordura presente nos mesmos. As pessoas ingerem uma quantidade muito pequena de ácidos graxos essenciais nas dietas modernas e refinadas, sendo que os óleos e gorduras refinadas também podem diminuir o metabolismo dos ácidos graxos essenciais presente nos alimentos, reduzindo o efeito benéfico que estes causam no organismo.

Há também vários estudos realizados, em diferentes e renomadas universidades do mundo, que demonstram que pessoas que consomem os ácidos ômega 3 reduzem o risco de doenças do coração. Estes estudos incluem doenças coronárias, hipertensão, colesterol e triglicerídeos e enfartes do miocárdio, entre outras doenças. Estudos revelam que os ácidos ômega 3 apresentam efeitos benéficos em vários tipos de câncer como: de próstata, de mama e de cólon. Também há evidências de bons resultados em artrites reumatoides, asma e depressão. A deficiência dos ácidos ômega 3 e ômega 6 estão ligadas a anorexia nervosa, tensão pré-menstrual, problemas dermatológicos, hiperatividade, Esclerose Múltipla e desordens imunológicas.

Fontes de Omega 3 e Omega 6

omega-3 O ômega 3 é encontrado principalmente em alguns peixes (salmão,  arenque, sardinha, atum) e no óleo de semente de linho onde está a  maior concentração.

 

Omega_6 O ômega 6 (ácido linoleico) é encontrado nos óleos de milho e  girassol.  No óleo de prímula, de borragem e de groselha ou onagro  negra  encontramos quantidades variadas de GLA (ácido gama  linolênico).

 

Converse com as farmacêuticas..

Fonte: vitafarma